top of page

Vladimir Vladimirovitch Maiakovski


Mestre Vladimir era chamado de "o poeta da Revolução", foi também dramaturgo, editor, cartazista - alavancou e iniciou uma nova poesia e arte na Rússia, mãe talvez da maior literatura do planeta.


Nasceu em 19 de julho de 1893, em Baghdati, Geórgia, Rússia.


Vladimir Mayakovsky (Влади́мир Влади́мирович Маяко́вский) viveu a revolução bolchevique de 1917 e foi um motor da criatividade artística.


Ele iniciou um novo modo de fazer arte, vinculado ao futuro da sociedade russa e mundial.


Nessa época, os círculos literários, as tertúlias, eram comuns nos acomodados museus e nos cafés.

Mayakovsky abandonou esses círculos para ir às ruas e fábricas dos centros urbanos da Rússia Soviética construindo uma nova poesia.

Dizia: Devemos ir aonde o povo está (Milton Nascimento usou esse tema).


Conta-se que Mayakovsky dormia no assoalho do telégrafo de Moscou, de modo a estar de prontidão para elaborar cartazes e outras mídias que ajudassem a desenvolver os movimentos políticos. Não queria perder o timing; queria estar do lado.


Trotsky dizia que em Mayakovsky existiam um gênio, um revolucionário e um poeta - três motores.


Era um homem que rejeitou as velhas formas do fazer poético, tendo sido ao mesmo tempo sujeito e vítima das transformações sociais.


Após a revolução de outubro de 1917, animou-se e foi muito ativo. Então escreveu: “Ode a revolução” e “Marcha de esquerda”, poemas geniais.


Sua característica foi a mesma que nos dias atuais nos aflige: o inconformismo diante do cotidiano e do capitalismo.


Vejamos:


“Manchei o mapa quotidiano

jogando-lhe a tinta de um frasco

e mostrei oblíquas num prato as maçãs do rosto do oceano.

Nas escamas de um peixe de estanho,

li lábios novos chamando.

E você? Poderia

algum dia

por seu turno tocar um noturno

louco na flauta dos esgotos?”


Roman Jacobson interpretou que o suicídio de Mayakovsky já estava posto desde o início de sua poesia. Segundo o linguista, o poeta preferiu o silêncio a ser um mero vendedor de versos.


Com a morte de Lênin, Stalin assume o poder e estabeleceu uma série de regras e normas para a produção artística.


Assim como o teórico Bakhtin e outros censurados e acusados de produzir obras subjetivas, Mayakovsky era chamado pelos burocratas stalinistas de “incompreensível”, pois seus poemas não seguiam as diretrizes oficiais. Ou seja, a liberdade poética tanto sonhada pelos artistas com o advento da revolução foi substituída por manuais burocráticos do realismo socialista.


Mayakovsky preferiu o silêncio a se entregar à censura oficial.


Escolheu deixar a vida em 14 de abril de 1930, aos 36 anos.


Este “lutador de palavras”, como definiu Trotsky, deixou-nos um legado que se tornou a semente de um novo futuro, uma poesia a plenos pulmões.


Abaixo, o bilhete de suicídio de Mayakovsky:


“A todos


De minha morte não acusem ninguém, por favor, não façam fofocas. O defunto odiava isso.

Mãe, irmãs e companheiros, me desculpem, este não é o melhor método (não recomendo a ninguém) mas não tenho saída.

Lilia, ame-me.


Ao governo: minha família são Lilia, Brik, minha mãe, minhas irmãs e Verônica Vitoldovna Polonskaia.


Caso torne a vida delas suportável, obrigado.

Os poemas inacabados entreguem aos Birk, eles saberão o que fazer.


Como dizem: caso encerrado, o barco do amor partiu-se na rotina. Acertei as contas com a vida inútil a lista de dores, desgraças e magoas mútuas.


Felicidade para quem fica.


Vladimir Maiakovski".


Seu depoimento de vida e de morte é cruel porque grita a verdade que sacode nossa consciência.


Outras frases dele:


"Eu não forneço nenhuma regra para que uma pessoa se torne poeta e escreva versos. E, em geral, tais regras não existem. Chama-se poeta justamente o homem que cria estas regras poéticas.“


"Brilhar para sempre, brilhar como um farol, brilhar com brilho eterno, gente é para brilhar,” (Caetano Veloso usou esse verso)


E que tudo mais vá para o inferno, (Roberto Carlos usou esse verso)


Não sei bem como sabia sobre o nosso país, mas uma vez disse:


“Dizem que em algum lugar, parece que no Brasil, existe um homem feliz.“ (Darci Ribeiro, nosso grande defensor de nossa Educação também falou isso)


Mais algumas frases:


"O século 30 vencerá! Ressuscita-me para que ninguém mais tenha que sacrificar-se por uma casa, um buraco. Ressuscita-me para que o Pai seja ao menos o Universo e a Mãe, no mínimo a Terra."


"Você não pode deixar ninguém invadir o seu jardim para não correr o risco de ter a casa arrombada."


Esse tema também influenciou poetas recentes como Eduardo A. Costa:


“Na primeira noite eles se aproximam

e roubam uma flor

do nosso jardim.

E não dizemos nada.

Na segunda noite, já não se escondem:

pisam as flores,

matam nosso cão,

e não dizemos nada.

Até que um dia,

o mais frágil deles

entra sozinho e nossa casa,

rouba-nos a luz e,

conhecendo nosso medo,

arranca-nos a voz da garganta.

E já não podemos dizer nada.”


Vladimir é uma fonte inesgotável de inspiração para todos nós.

0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page