top of page

A evolução tecnológica da humanidade


Se traçarmos uma linha temporal entre a pré-história, onde nossos ancestrais viviam da coleta e se matavam para sobreviver (hoje só mudaram os motivos...), passando de nômade a sedentário, e de coletor a caçador, a humanidade evoluiu lentamente em seus primórdios, usando a tração animal e objetos feitos de pedra e madeira como também o ferro , durante a Revolução agrícola que durou dez mil anos. A Revolução Industrial logo surgiu no velho mundo europeu, com a invenção da máquina a vapor e os teares antes manuais, agora mecânicos e produzindo em larga escala. Os camponeses agora, eram operários. Em cidades como Londres, a grande população se amontoava nas periferias, em condições insalubres, em meio aos ratos e esgotos correndo pelas ruas mal-cheirosas onde ficava o sistema fabril. O apogeu da Revolução industrial, foi também o ápice de pandemias e endemias na Europa, em contrapartida surgiram vários estudiosos, cientistas e pesquisadores, que dariam um novo rumo a este planeta desinquieto.


Com os países cada vez mais industrializados, inclusive os EUA, em fins do século XIX, as potências européias não se entendiam quanto à PARTILHA da ÁFRICA , que foi dividida de acordo com os interesses e a ganância de países como a Inglaterra ,França, Alemanha, Bélgica e Itália em busca de matéria-prima barata para seus parques industriais . Portugal e Espanha já tinham colônias no continente, desde o século XVI. Com todas estas disputas dentro e fora da Europa, estoura a primeira Guerra Mundial em julho de 1914 e só terminaria no outono de 1918, sendo vencida pela Inglaterra, França e Rússia. A Guerra foi declarada e perdida pela Alemanha, Itália e os desmembrados Impérios Austro-húngaro e Otomano deixando uma Alemanha humilhada, endividada e um terreno fértil para a ascensão do Nazismo, como também do Fascismo na Itália e a formação dos estados nacionais no leste europeu remanescentes dos impérios desagregados.


O mundo continua em ebulição, evoluindo tecnologicamente, mas a sede de poder e ganância, faz a humanidade retroceder milhares de anos em sua evolução moral, ética e espiritual. No terreno de energias umbralinas da Alemanha, surge um Hitler disposto a não engolir a derrota da 1ª Guerra e com um discurso inflamado, arregimenta seguidores e vai galgando os degraus para sua ascenção política, insana e meteórica. Adolf Hither entra para o Partido Nazista de Extrema Direita (criado em 1920) e chega ao cargo de Chanceler da Alemanha em 1933. Começa aí um regime totalitário, de perseguição às minorias, negros, ciganos, homossexuais, deficientes físicos e (a menina dos olhos de Hither) os judeus. Por que os judeus? Será que era só ódio que Hitler e seus comandados tinham pelos judeus? Os judeus eram comerciantes, joalheiros, banqueiros, donos de grandes fortunas, ou seja, persegui-los, acusá-los de impuros, infiéis e de responsáveis por toda a desgraça da Alemanha era a justificativa perfeita para dizimá-los e apoderar de seus bens em nome do Estado Nazista. Em setembro de 1939, as tropas de Hither invadem a Polônia e começa a 2º Guerra Mundial e com ela toda a sorte de crueldades e insanidades que o mundo conhece, perpetradas pelos nazistas contra a humanidade.


Com o fim da segunda guerra e o mundo desenvolvido e industrializado em frangalhos, desponta, com todo seu poderio armamentista, rica e com dinheiro para emprestar, a grande potência capitalista do oeste- USA . Com seu parque industrial bombando, poucos navios afundados-( Pearl Harbor agora é apenas um filme...) grande parte dos cientistas europeus fugiram para seu território, durante ou após a guerra . Os USA herdou da Europa um enorme mercado consumidor na América Latina e na Ásia. Após o fim da guerra, injetou capital no Japão,

evitando que sua rival, a enorme, mas lenta e autocrata URSS o pudesse fazer. Apesar dos EUA não terem começado a guerra, foram eles quem puseram fim ao conflito, despachando para o Japão, as bombas atômicas despejadas pelo bombardeiro B 29 das Forças Aéreas Americanas apelidado “carinhosamente” pelo piloto de Enola Gay( o nome de sua mãe) , em Hiroshima e Nagasaki em agosto de 1945.


A segunda guerra, apesar dos horrores e mortandade trouxe-nos a chave das tecnologias que temos hoje. Diz o ditado: a necessidade faz o sapo pular, e é neste contexto que surge o gênio da matemática, o inglês Alan Turing que juntamente com sua equipe fez a Decodificação da Cifra Enigma (Enigma-máquina de criptografia alemã) que possibilitou aos Aliados interceptar e decodificar a comunicação do EIXO. A estória triste, mas interessantíssima deste gênio, pode ser vista no filme O Jogo da Imitação de 2014. Alan Turing, salvou o mundo de um tirano, mas foi condenado e tiranizado pela ignorância e preconceito de uma sociedade dita moderna, mas que tratava a homossexualidade como doença ou mesmo como uma conduta criminosa.


Após a invenção do computador, a ida do homem à lua, a Queda do Muro de Berlim, os Simpsons, o fim da URSS, a derrubada das Torres Gêmeas, a caçada ao Bin Laden,” o 7 x 1 da Alemanha no Brasil, o Brasil continua o mesmo...Os EUA continuam como grande potência hegemônica, tecnológica e armamentista, mas divide hoje, sua influência no comércio mundial, com a não menos capitalista, mas de governo totalitário, a milenar CHINA, que sufocou o rico Japão e afaga a enorme Rússia que herdou a soberba e os armamentos da URSS e a sanha assassina da KGB . Neste cenário paradoxal, vivemos a Quarta Revolução Industrial no século XXI.


A Era da Inteligência Artificial, da robótica, da Internet das coisas (IOT), e computação em nuvem, vem mudando os complexos industriais, descentralizando a produção, os mercados financeiros, com um desenvolvimento tecnológico sem precedentes na história mundial, mas ao mesmo tempo, temos uma inversão de valores morais, espirituais e éticos, que impede o desenvolvimento total e pleno da sociedade mundial, devido à corrupção e a concentração de renda nas mãos de poucos países, das elites políticas, ou de grandes grupos financeiros, causando a fome, a desnutrição, o analfabetismo e o atraso intelectual, tecnológico e social de países, grupos ou tribos , que ficam à margem de toda a riqueza produzida por muitos, mas que é desfrutada por poucos.“Os Estados não são agentes morais; as pessoas são.” Avram Noam Chomsky- Linguista, sociólogo, Filósofo e Cientista americano.


 

Maria da Conceição Lima Costa “Com Verdades”

0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page