top of page

160 anos de nascimento de Major Antonio Luiz, personagem de Guimarães Rosa

Um dos mais icônicos personagens da seminal obra de contos, Sagarana, de João Guimarães Rosa, nasceu há 160 anos em Itaguara. Consta em seu jazigo, o mais imponente do antigo cemitério paroquial em Itaguara, que Antonio Luiz de Oliveira Villela nasceu em 23 de janeiro de 1863 e faleceu em 05 de maio de 1936.


No período em que o jovem médico cordisburguense, João Guimarães Rosa, viveu em Itaguara, de 1930 a 1932, o Major já estava no fim de sua vida, mas ainda gozava de grande prestígio político e social. Suas histórias eram muito contadas pelo distrito (Itaguara àquela época era um distrito pertencente a Itaúna e viria a se converter em município apenas em 1943) e inspiraram o jovem médico-literato a retratá-lo no conto A Volta do Marido Pródigo.


A importância de Major Antonio Luiz vai além da citação literária. Ele foi um dos mais importantes chefes políticos da região de Itaguara no início do século XX com ligações políticas em toda a região. Filho de um coronel da guarda imperial, João Luiz de Oliveira Campos, a sua vida foi dedicada aos negócios herdados de seu pai (fazendas), além da atividade política. Seus registros se encontram no Arquivo Público Mineiro (APM), no denominado “Dossiê Sagarana”, inserido no “Fundo Pessoal João Guimarães Rosa”.

Veja a foto do major no acervo do APM, com as respectivas descrições e créditos:

Descrição: Fotografia do Major Antônio Luiz de Oliveira Vilela, chefe político no Distrito de Itaguara, que teria servido de inspiração a João Guimarães Rosa para a personagem Major Anacleto na redação do conto "A volta do marido pródigo", no livro "Sagarana".

Crédito de imagem: Arquivo Público Mineiro / Acervo DIMUS


Major Anacleto: o personagem rosiano


O major itaguarense Antonio Luiz é retratado como o “Major Anacleto” no conto “Traços biográficos de Lalino Salãthiel ou A volta do marido pródigo”, que possui como personagem principal um trabalhador da estrada de rodagem: Lalino Salãthiel. Na época, estava acontecendo a construção da estrada que hoje denominamos como a Fernão Dias (BR-381) e, por isso, havia muita movimentação no distrito.

Lalino Salãthiel era um homem curioso para a época: além de seu envolvimento com o teatro, ele contava/inventava muitas estórias. Um dia, decide “vender a sua esposa”, Maria Rita, para um empreiteiro espanhol, Ramiro, e parte rumo à capital brasileira da época, o Rio de Janeiro, para tentar materializar as suas estórias e aproveitar a vida como um bon-vivant.


Arrependido, ele regressa a Itaguara meses depois, e passa, então, a ajudar na campanha eleitoral do Major Anacleto, o líder político poderoso da região, a fim de receber dele o auxílio para reatar com a sua esposa. Com uma esperteza peculiar, Lalino consegue desbancar a oposição e atuar decisivamente em favor de seu candidato. Pelos trabalhos eleitorais realizados, ele obtém como recompensa a expulsão dos espanhóis de Itaguara – o major não temia descontentá-los, uma vez que, como estrangeiros, não eram eleitores. Ao fim do conto, Lalino consegue o seu objetivo e Maria Rita o perdoa.



Veja mais fotos do “Major Anacleto”:




Crédito das imagens: descendentes de Major Antonio Luiz de Oliveira Villela, em Itaguara, extraídas do sítio: https://www.familysearch.org/pt/

0 comentário

Comments


bottom of page